sexta-feira, 31 de julho de 2015

ONDE A SAUDADE MORA...








A saudade
Mora nos retratos,
Debaixo das camas,
Dentro dos armários,
No fundo espelhado dos pratos.

Tem pés que pisam duro,
Fazendo barulho,
A saudade.

Não perdoa a noite,
E é quando ela vem
Ainda mais forte,
Invadindo os sonhos...

E pela madrugada,
Antes que alguém dê conta,
Desce ruidosamente
Se senta na poltrona,
Aguarda-nos na sala.




SE EU FOSSE...




o luar aqui em casa, ontem...





Olhando para trás,
Buscando a vida na memória,
Vejo os restos que ficaram nos trilhos
Depois que o trem passou,
E penso:

- Ah, se eu fosse me importar!

Espadas e dentes,
Navalhas e pentes,
Os caules sem flores,
As contas caídas
Dos colares arrebentados
Da vida!

Só ossos e restos,
Que já nem mais cheiram,
Que já nem mais falam,
Bocas ressequidas,
Dedos desmanchados,
Peles carcomidas,
Almas que voaram,
Outras que ficaram
E que se perderam
Nas tramas furadas
Dessa estranha vida...




terça-feira, 28 de julho de 2015

A Saudade que eu Sentia










A saudade que eu sentia
  Passou,
    Como um trem que vai pra longe
        Levando dentro dele
           A dor que me apertava.

Eu vi você,
   À janela desse trem,
      E me despedi
                  Sem medos ou sustos,
                          Sem apegos ou suspiros
                                    Da mão que me acenava...





segunda-feira, 27 de julho de 2015

Maçã




Da carne branca, o sumo doce,
No coração, suas sementes
Que são cuspidas entre os dentes.

E o futuro cai no chão
De forma simples, displicente...




sábado, 25 de julho de 2015

GEENA




Tudo em vão:
O orgulho, a tempestade,
O pescoço esticado,
A voz de trovão!
Depois que a chuva caiu,
A terra bebeu as gotas
Que sumiram no solo...

A métrica desmedida,
A palavra torcida,
O asco, a presunção,
-Tudo foi em vão!

No colo de Deus
Sentar-se-hão todos,
Bons e maus poetas,
Os ricos, os pobres,
Os puros e os pecadores,
Os ateus, os ascetas,
Os que morrem de rir
E os que morrem entre dores.

-Eu morro de rir!
Já vi, tantas vezes, a montanha ruir,
Já vi rios caudalosos,
Ter caladas as suas pororocas
Virando lama nas margens
Onde dormem os caranguejos! 

Já vi, entre as docas,
Cobertos de andrajos,
Bebendo da mesma garrafa
Os corvos e os espantalhos!

E eu,
Morro de rir...
E hei de rir de novo,
Ao nos reencontrarmos
No meio do povo
Que habita a Geena,
Na mesma cena!




OS BOLOS E OS TOLOS




Faltam alguns minutos até a próxima aula. Ligo a TV para passar o tempo, e deparo com um reality show sobre aspirantes a chefes de cozinha, onde o desafio do dia é fazer o bolo mais saboroso e apresentável. Os candidatos, que se esforçam ao máximo, são divididos em equipes, mas ao final do programa, tornam-se rivais. Todos estão muito estressados, e apesar de trabalharem juntos, não conseguem esconder seu medo, sua insegurança e seu alto grau de competitividade.

 O tempo é contado. Tempo é moeda forte no programa onde a tarefa é hercúlea, e talvez seja tão curto, apenas para aumentar ainda mais o estresse dos participantes. E de repente, alguém anuncia: "O tempo acabou!" Neste momento, todos tem que parar imediatamente, ou terão pontos descontados na avaliação.

Chega o momento da análise, onde amostras dos bolos são apresentadas para uma equipe de chefs já famosos: a equipe julgadora. Um a um, eles colocam os pedaços na boca, mastigando devagar, e algumas vezes, fazendo cara de nojo. No rosto do candidato, algo entre o desespero, a humilhação e a ansiedade, mas principalmente, a humilhação ao terem suas obras severa e sarcasticamente criticadas ao vivo e à cores. Eles torcem as mãos. Através da telinha, vejo seus rostos ficando vermelhos, e depois, pálidos, e novamente vermelhos. Alguns começam a chorar, enquanto outros cerram os lábios tentando se controlar.

Finalmente, ao final do programa, um deles é escolhido como o melhor e outro deixa o programa como se fosse um cão escorraçado. 

Fico me perguntando: por que alguém se submete àquilo, meu Deus? Será que eles não sabem que cozinhar é uma arte que demanda paz de espírito, calma, bom humor e muito amor? Melhor seria se colocassem entre os juízes pessoas que os candidatos amassem, pois assim, cada um seria capaz de dar o melhor de si, pois cozinhar sabendo que alguém que amamos vai comer aquela comida, faz com que ela tenha o tempero certo na medida certa. Mas não; é uma competição - apenas mais uma entre tantas que existem no mercado de trabalho. Vejo essas coisas e penso: está tudo errado.

Em outro programa, vejo um chef de cozinha grosseiro e mal-educado, que grita o tempo todo e humilha os participantes enquanto berra suas ordens e ofensas, com a face vermelha feito uma pimenta malagueta adubada pelo ódio. Os candidatos correm de um lado para o outro, deixam as coisas cair, se desesperam. Quem consegue alcançar o sucesso, recebe apenas um tímido elogio cercado de críticas. Eu jamais conseguiria trabalhar em um lugar assim! Acho que deve ser como acordar todos os dias e encaminhar-se para um local onde pedaços das almas das pessoas são arrancados à dentadas. Preferiria continuar fazendo meu trabalho anonimamente, calma e relaxada, em minha própria cozinha.

Reflito: a pior coisa do mundo, o maior dos sofrimentos, é submeter-se àquilo que os outros exigem de nós, e depender de opiniões alheias para sermos felizes. O sucesso é sempre associado à luta, esforço, abnegação, dedicação total de tempo, competitividade, estresse. Ter sucesso não significa, de jeito nenhum, ser feliz.




terça-feira, 21 de julho de 2015

MENTIRAS




Algumas mentiras são tão bem contadas,
Tiras amarradas, seladas com sangue...
Personalidades tão fortes, tão críveis,
Horríveis falácias de hordas distantes...

Criados perfis, tão estabelecidos,
Com nomes, famílias, retratos, histórias...
A vida de lutas, tristezas ou glórias
Tão bem inventadas, que fazem sentido!

E os pobres carentes que bebem palavras
Qual fossem licores de sabedoria,
Nem notam que o copo destila mentiras,
Por trás da voz mansa, a demência que ladra!

E então, de repente, uma morte inventada,
Criada na mente, cumprindo um tal pacto...
E vê-se a mentira, homenageada,
E os pobres crentes, curando o impacto...

Mas eis que a rede é de tramas bem finas,
E assim, uma foto aparece na tela...
O ex-morto morrido, assim, ressuscita,
O riso sardônico, a cara lavada!

O filho mostrado na fotografia
Surge de repente num outro contexto:
Por entre crianças desaparecidas,
Na foto postada, na rede da vida!

E eu penso: - Vergonha! Que vida inventada!
Pobre de quem creu, e sentiu, e chorou!
É triste que mais uma vez a mentira
Foi tão aplaudida, tão apreciada!





segunda-feira, 20 de julho de 2015

DISTRAÍDA




Eu ando distraída, amiga,
Do que me aborrecia,
Das cartas amarelecidas,
Das telas mal-pintadas,
Das letras escorridas...

Eu vou como quem veio, amiga,
De uma longa festa,
Ainda embriagada,
O coração selado,
Cansada e sonolenta...

Perdão se eu não te vi, amiga,
Eu ando distraída...
Carrego meus sapatos,
Meus pés pisando nus
O chão quadriculado
Das minhas avenidas...





VIAGEM








As mesmas canções
Distorcidas,
A raiva da vida
Manchando a paisagem...

As gotas vulcânicas,
Quentes,
Negras,
Pegajosas,
Gotas rixosas
De lavas, que escorrem
Na terra fendida.

Passou-se uma vida,
E as mesmas paisagens,
As velhas escaras,
As mesmas viagens,
Caminhos marcados,
No chão arranhados,
Pelas mesmas garras.





quinta-feira, 16 de julho de 2015

CÉU NOTURNO




Aquela foi a maior estrela
Que já vi da minha janela!
Parecia uma joia branca
caída dos vestidos
De um deus distraído.

E ela se arrastava
De leve, pelo céu
Buscando aquela saia
Que a abandonara...

-Achou-a, finalmente,
Nos véus da madrugada?




terça-feira, 14 de julho de 2015

Voltando Para Casa






No céu, roxos e dourados
Mesclados entre os azuis,
Explosão de avermelhados...
Os gritos das maritacas,
Bem-te-vis e sabiás
Voltando para casa.

Nas ruas, faróis de carros
Iluminam o crepúsculo,
A confusão das calçadas
As padarias lotadas,
As crianças e os adultos
Voltando para casa.

Cachorrinhos nos portões,
Pelas vidraças, as luzes,
Os jantares e os banhos,
Pés descalços nos tapetes,
O final de uma jornada...

Quem dera que seja assim
A morte, ao menos, espero
Que seja como essa hora
Tão confusa e tão bonita:
Hora de voltar para casa.







segunda-feira, 13 de julho de 2015

TEARS





TEARS

I've finally found out
that most of the tears I cried
Were not mine.
They dropped from other eyes,
so clear, salty and bright
-but they were not mine.
Yet I have on my face
all the tracks
They've left behind.




Dedicated to the best English teacher of all times - Chris Dupont

tradução:

Finalmente eu descobri
Que a maior parte das lágrimas que chorei
Não eram minhas.
Elas caíram de outros olhos,
Tão claras, salgadas e brilhantes,
-Mas elas não eram minhas.
Mesmo assim, tenho em meu rosto
Todas as marcas
Que elas deixaram.



sábado, 11 de julho de 2015

(Des)considerações




Todos os dias, ao ligar o rádio, a TV ou o computador, eu fico sabendo de alguma coisa que me choca ou me desgosta, deixando um sabor amargo na minha boca. Atos de desprezo e desconsideração pelo outro, humilhações, casos de bullying e de falta de respeito, preconceito, mentiras, ódio.

As pessoas parecem ter perdido o bom senso completamente. O velho ódio entre classes renasce, e dois times de pessoas são estabelecidos: ricos X pobres. Quem se considera do time dos pobres, enxerga aqueles que ele acha serem ‘ricos’ como sendo seus opressores, dando-lhes adjetivos que variam entre ‘burgueses nojentos’ e ‘coxinhas.’  Enquanto isso, o que se coloca do lado dos ‘ricos’, vê os pobres como malandros, vagabundos e aculturados.

Ao mesmo tempo, vejo que o ódio racial – que muitos acreditavam estar praticamente abolido neste país – ressurge de repente das formas mais vis. A mais recente vítima foi a apresentadora do Jornal Nacional, Maju Guerra. Lamento profundamente que este texto e todos os que foram ou serão escritos sobre este assunto, nada poderão fazer para mudar a cabeça dos preconceituosos. Nada do que se diga é capaz de sensibilizar ou educar pessoas assim, que parecem ter nascido com o ódio e o preconceito nas veias. Elas estão perdidas. Não creio que um dia poderão pensar diferente, e para elas, desejo apenas a punição da lei.

Só há uma maneira de melhorar esta situação, e ela começa dentro de cada lar: educar e  aconselhar as crianças, dando a elas valores e bons exemplos. Acho que o que antes era apenas uma necessidade, hoje torna-se urgente. Quando penso que estas pessoas que espalham o ódio, o preconceito e a violência tem ou terão filhos que crescem ou crescerão sob seus tetos e aprenderão a pensar como elas e a fazer as mesmas coisas, eu me pergunto o que será de nós.

O ser humano é a criatura mais ambígua do planeta, pois ao mesmo tempo que cria coisas maravilhosas, como a internet e os computadores, acaba dando a elas os piores usos. Chamam de liberdade de expressão o direito de difamar, caluniar, ofender, e diminuir os outros. Usam esta mesma liberdade de expressão que tanto pregam a fim de tentar, veladamente, constranger e calar aqueles que pensam diferentemente deles – os “ignorantes.”

Acredito que só há uma única coisa que gera toda a violência, ódio, preconceito, disputas, pretensão e abuso: ela é um das coisas mais arraigadas na alma humana, que deveria ser trazida à tona, examinada, compreendida e trabalhada, a fim de ser diminuída à níveis toleráveis que  tornem seus possuidores pelo menos passíveis de conviver de forma saudável com os outros; este sentimento, esta coisa pegajosa, é  a burrice.

Não a burrice de quem tem pouco estudo, pois a intelectualidade pouco significa quando se fala em inteligência, mas o pior tipo de burrice, a que é a filha do orgulho exacerbado e da autoestima exagerada, e que leva seu possuidor a achar-se sempre mais que todos, melhor que todos, acima de todos. O preconceito de classe, racial, sexual ou religioso só pode ser explicado quando olhamos para estas pessoas mais de perto e percebemos o quanto elas são burras.




HAIKAI









Um passarinho
Do galho olha pro mundo
Chorando por Deus.







terça-feira, 7 de julho de 2015

JULHO








Metade do ano já se foi;
Com ele, o entulho
Que estava guardado
No canto do armário...
-Bem-vindo, Julho!




segunda-feira, 6 de julho de 2015

FOI O SOL








Entrou pelas minhas gretas,
Acendeu as labaredas
Do pensamento.
-Ascendeu-me.

Iluminou as gavetas,
Matando as traças,
Fez brilhar minhas vidraças.

Foi o sol,
E quando ele se pôs,
Prometeu voltar
-Mas não disse quando.






domingo, 5 de julho de 2015

Não é Poesia...





Não - isto não é poesia.
Não sei o que é; nasceu de mim
Junto com o dia,
Mas não é poesia.

Às vezes me chega,
Sufoca a voz,
Impede o caminho,
Turva a visão...

Deita as garras 
Em meu coração
Até que eu a ouça,
Até que eu responda,
E faça de mim
Um canal
Para que ela chegue,
Me torne uma mãe
Para que ela nasça...

Mas não importa o que eu diga,
Ou o que eu faça,
Não é poesia.

Chega de noite,
Assombra meu sono,
Bordando as palavras
Nos meus lençóis...
Às vezes,
Ata-me em seus nós,
E quase me mata
Com suas mandingas...

Mas seja o que for,
Ou o que eu diga,
Se visto ou não visto
Os seus trajes de mendiga,
Não é poesia,
É uma outra coisa...

(Depois de usar-me,
Ela limpa a boca
Com as costas da mão...)




quinta-feira, 2 de julho de 2015

A INOCÊNCIA É UM BÔNUS







A Inocência não vê cores
Com a qual pintam-lhe as feições,
Ela não tem nãos ou senões, 
A tudo abraça, a tudo acolhe.


A inocência guarda um molhe
De chaves, só para abrir portas,
Não vê o riso torto e os dentes
Que almejam o doce de sua aorta.


A inocência é um bônus,
Não sente o bafo da ambição,
Ou o fedor do preconceito
Que tenta achincalhar seu tônus.


Ah, eu perdi minha inocência
Há um tempo longo e impreciso...
Ainda resta-me  a decência
De escolher o chão que eu piso.




MINHA MISSÃO É ESTAR AQUI

Estava lendo  uma entrevista da psicóloga e personal coach americana Laura Ciel, no qual ela fala sobre aquele momento (momen...