sábado, 30 de maio de 2015

Morrendo






Ando morrendo a cada dia,
Aos poucos, voluntariamente.
Ando morrendo de repente,
Sempre que posso, e que consinto.

E a morte não é inimigo,
Traz, cada vez, uma elegia
Intercalada a mil perguntas
Que eu respondo, se consigo.

E se não posso respondê-las,
Deixo-as todas bem guardadas
Naquela caixa amarrotada
Onde descansam os mistérios.

E a minha morte derradeira,
A que há de vir, a verdadeira,
Quem sabe, mostre o hemisfério
Onde se encontram as respostas.









sexta-feira, 29 de maio de 2015

TE DEVORO





Respiro fundo
E te provo,
Com os olhos
Te devoro,
Com a mente
Te possuo,
Toco leve
Com as pontas
Dos meus dedos
A bainha
Da tua roupa.

-Te adoro!

Tua voz
Me acende,
Tua risada
Me enternece,
Teu olhar
Me descasca
Tal qual fruta
Suculenta,
Saborosa,
Mato a fome
Do teu caule
Em minha rosa.





quarta-feira, 27 de maio de 2015

NADA







O nada
Nada diz,
Nada ouve,
Nada afeta,
Nada quer,
Nada oferta,
Nada sente,
Nada causa,
Nada sabe,
Nada aprende,
Nada ensina,
Nada acha,
Nada salva,

Nada fere.

Se cismo
Sobre o nada,
Já não é nada, 
É algo.

Se me afeta,
É algo,
Se me fere,
É algo,
Se me espeta,
É algo,
Se me ofende,
É algo,
Se provoca
Minha fala,
Meu discurso,
Minha crítica,
Minha fúria,
Meu sorriso
De desprezo,
Reação
Ódio ou asco,
Já é algo,
E o algo
É sempre mais,
Muito mais
Que apenas 
Nada.





segunda-feira, 25 de maio de 2015

A WEB





A WEB é cheia de psicólogos, psiquiatras, cientistas comportamentais, videntes e especialistas em relacionamento humano. Só de ler o que alguém escreve, eles elaboram teorias inteligentíssimas sobre a sua personalidade, estilo de vida, gostos e caráter. São impressionantes, esses especialistas da WEB! Eles adoram escrever discursos sobre quem eles insistem em dizer que não são nada, que tem "inteligência mediana," são iletrados, gramaticalmente ignorantes , espiritualmente atrasados, ególatras e doentes mentais. Basta que alguém conteste as suas teorias incontestáveis, e pronto: lá vem eles! Precisam provar que estão com a razão, e para isso, usam como suporte os seus muitos anos de estudo, as palavras dos filósofos e sábios (que, segundo eles, nossas mentes medianas não são capazes de alcançar) e mandam ver nos xingamentos. A sabedoria é, realmente, muito temperamental!

De repente, aquele que apenas ontem nos seguia e elogiava, muda de ideia e passa a não gostar da gente, tudo por causa de três palavrinhas que, quando ditas online, passam a ser o foco de muitos desentendimentos, rixas e desafetos: "Eu penso diferente."

E quando isso acontece, é porque nós não compreendemos. Somos incapazes de alcançar a mente de algum grande filósofo e sábio da humanidade, morto há centenas de anos - que eles, naturalmente, compreendem como se tivessem vivido na mesma época que eles e os conhecido pessoalmente. Ah, nós somos apenas vermes ignorantes! 

Mas tem uma coisinha que eu não entendo: por que a "Sabedoria" perde tanto tempo a comentar sobre o que ela considera o dejeto, o nada, o ignorante? A sabedoria discute com a ignorância para quê? Autoafirmar-se como sabedoria? E a sabedoria necessita de autoafirmação? Eu sempre pensei que a sabedoria fosse tão sábia, mas tão sábia, que não perdesse tempo argumentando com os não-sábios, porque a sábia sabedoria deveria saber que um dia, à sua maneira, todo mundo acabará sabendo alguma coisa. Sempre achei que um dos atributos da sabedoria fosse, exatamente, a generosidade com aqueles que ela considera ignorantes. 

Na WEB, quando a sabedoria não consegue convencer seus "adversários" através de seus argumentos baseados em citações de famosos, ataca a sua gramática. Mas saber gramática não significa tanto nessas épocas de corretores de texto automáticos. Acho que o que eu aprendi de gramática até hoje já me serve bem, e como eu não tenho a menor intenção de tornar-me professora de língua portuguesa, assim está bom. Saber ou não saber  conjugar um verbo não deixa ninguém em posição superior ou inferior, principalmente quando a primeira pessoa se esconde atrás de uma terceira, conjugando um verbo impreciso e cheio de pronomes velados.

Mas, o que mais me deixa com vontade de rir, é quando a sabedoria aborda a ignorância com o seguinte discurso: "Bem que já tinham me falado sobre você!" E daí eu respondo: "E você não acreditou???"


quinta-feira, 21 de maio de 2015

PASSARINHO NA JANELA








Passarinho na janela

Olhando os tons da paisagem

Onde, há momentos, voava.



Descansa as penas cansadas,

Dobra o canto sob as asas

Pensando em não mais cantar...



O céu lá em cima se move,

As nuvens fecham o azul

-Ele não quer mais voar...



Mas vem o vento e segreda

Nos ouvidos pequeninos:



"A vida é abrir as asas,

É voar por sobre as casas,

É pousar nos parapeitos

Nos galhos dos pensamentos,



É molhar de mel o bico,

É deixar nascer o canto,

Aceitar e amar sem medos

Teu dom de ser passarinho...



Teu lugar não é aqui,

Vem comigo, e eu te levo

Nos meus braços, amiguinho..."



E o passarinho suspira,

Pois ouve a voz do destino

E com ela ele se vai.



Passarinho está bem alto,

Lá de cima, olhando o mundo,

Não mais se sente sozinho...




segunda-feira, 18 de maio de 2015

SE ME AMAS






Se me amas, sou feliz,
Sou feliz se não me amas...
Teu olhar sobre o meu rosto
Vê a sombra que te engana.

Sou feliz se tu me aceitas,
Se me negas, sou feliz...
O teu gesto me rejeita,
Mas teu coração não diz...

Se me entendes, sou feliz,
Sou feliz, se não me entendes...
Teu abraço não me cabe,
Tua mente não me sabe...

Se me enxergas, sou feliz,
Sou feliz se não me enxergas...
É tão negro, esse teu breu
Que devora a luz das velas!

Se me queres, sou feliz,
Sou feliz, se não me queres...
Amarás outras mulheres
Mas um dia saberás
Que só  a mim tu quiseste...





quinta-feira, 14 de maio de 2015

A COR DA FLOR








Se alguém te disser:
"A flor é vermelha"
Quando ela é azul,
Não mude de ideia,
Não use argumentos
Para convencê-la:

A flor é a flor,
E era bem antes
De nela, deitarem
Os olhos e as celhas.

A flor é o que é, 
E continuará
A ser o que era
Quando ela foi feita.




segunda-feira, 11 de maio de 2015

MÃE

MEUS PAIS



Meu marido recebeu uma homenagem do Rotary Clube de Petrópolis ontem à noite, por destaque em sua profissão. Fiquei muito orgulhosa dele. Nem sequer somos membros do Rotary, mas mesmo assim, as pessoas lembraram-se dele, e enquanto há tantas outras que também mereceriam a homenagem, ele foi o escolhido.

Houve também uma homenagem às mães, e o presidente do Rotary Clube de Petrópolis, Luiz Fernando Soter, discursou a respeito. Seu discurso foi breve e simples, mas bastante tocante. Partilharei aqui a ideia geral: ao saber que uma filha estaria tendo problemas de relacionamento com a mãe, ele a chamou para conversar. Explicou a ela que ele vem de uma época diferente, uma época na qual os filhos não tinham problemas de relacionamento com a mãe, por um simples motivo: para eles, as mães eram perfeitas.

Sem querer, eu senti minhas sobrancelhas se erguendo, crítica diante de tal afirmação, mas conforme fui escutando o restante do discurso, eu o compreendi e tive que concordar com ele.

As mães são perfeitas, segundo ele, porque , embora possamos ter muitas amigas, primas, tias, cunhadas, etc.., só temos uma mãe. A ela nós devemos carinho e respeito. Ninguém pode dizer que tem mais de uma mãe, pois a mãe é única no mundo. 

Lembrei-me imediatamente da minha, que foi embora no dia 1 de janeiro de 2013. Ela não era perfeita. Mas era a minha mãe. A única que conheci, a que dedicou muitos anos de sua vida a cuidar de mim e de meus irmãos, a que passou várias noites em claro comigo no colo com medo que eu sufocasse quando eu era bebê e tive coqueluche. A única que, na época de matrículas escolares, ficava em filas enormes tentando conseguir bolsas de estudo com vereadores para que eu pudesse estudar em uma escola particular. A única que, ao receber a herança do pai, gastou-a toda conosco em roupas, sapatos, brinquedos, livros, dentista, e outras coisas. A que conversava comigo durante horas e horas enquanto preparava o jantar, e me falava de sua infância, das pessoas que conheceu e das casas onde morou. 

Minha mãe foi a única pessoa que me empurrou nos balanços da Praça da Liberdade, e comprou-me caixas de estalinhos e brinquedos baratos nas bancas daquela mesma praça. 

Certa vez, em um momento difícil da minha vida quando eu tinha  29 anos, ela passou uma noite em claro me escrevendo uma carta. O título era: "Para ler nas horas difíceis." Guardo esta carta até hoje. Pouco antes de ela morrer, em uma visita que ela me fez, mostrei-lhe a carta. Aos 85 anos de idade, ela pegou-a e leu algumas linhas, dizendo que não se lembrava de tê-la escrito... fiquei triste na hora, mas depois eu pensei: E daí? Jamais esquecerei de tê-la lido, e li-a muitas vezes, nas minhas "horas difíceis," como ela sugeriu. E que pessoa passaria uma noite em claro escrevendo-nos uma carta com uma mensagem  que vale para a vida toda, a não ser a nossa mãe?

Se estivesse aqui, minha mãe teria completado 87 anos de idade no dia 1 de maio. Eu não fui ao cemitério, e nem irei no Dia das Mães, pois se as mães são realmente perfeitas, isso significa que elas não estão lá. Prefiro fazer uma oração sincera, curta e silenciosa daqui de casa mesmo, em agradecimento por ela ter sido uma mãe perfeita, apesar de suas imperfeições. Porque mães não podem ser vistas como meros seres humanos. Elas transcendem a humanidade ao exercerem seus papéis de mães.




quinta-feira, 7 de maio de 2015

JARDIM





JARDIM








FLORES

As flores já nem se lembram
Dos tempos em que eram sementes
E viajavam nos ventos.
As flores nascem,
Abrem-se, florescem,
Fenecem , 
São esquecidas
E se esquecem.






FOLHAS

Secas, crepitam
Ao serem arrastadas pela brisa.
A calçada fica cheia de sons
Crocantes
Quando a gente pisa.





PEDRAS

Sempre estiveram ali?
Sempre estarão?
Quem nelas se senta, nem pensa
No que elas são...






AVES

Trazem o mundo 
Visto de cima
Na retina.
Corações quentes, pequeninos,
Resistentes,
Que batem com as asas.






ÁRVORES

Madames centenárias,
Milenares senhoras.
Já viram tudo,
- Já viram tudo, mas preferem calar-se.
A lâmina do lenhador
É ameaça que sempre arde.




CHUVA

Deita suas gotas
Na corola da flor,
Desce pelas folhas,
Beija a terra seca
Que se abre, e a recebe
Entre rios de prazer
E poças de dor.




FORMIGAS

Brincam com as cigarras
Que tocam suas guitarras
Em convivência calma.
As formigas carregam o pão do corpo,
E as cigarras criam o pão da alma.





BORBOLETAS

Deslizam nos ares
As cores das asas,
Não tem casas,
Os casulos quebraram-se
Ao dar-lhes à luz.
Manchas de cor pousadas nas plantas,
Na cerca, na escada,
No beiral da casa.







quarta-feira, 6 de maio de 2015

Não me Orgulho










Não me orgulho
Das borboletas esmagadas
Que eu pisei sem querer;
Mas foram elas - (descuidadas)
Que pousaram sem ver.

Também não me orgulho
Das palavras proferidas
Que racharam máscaras,
Retiraram cascas,
E feriram brios.

-Invadiram meus trilhos,
Roubaram-me os silêncios
Deixando-me nua,
A pele ferida
Exposta ao frio.

Mesmo assim, não me orgulho;
Do que me acusam
(E que nem sequer fiz),
Nada tenho a dizer,
Nada tenho a mentir,
Nada tenho a negar.

Escapei por um triz
De morrer esmagada,
Soterrada no entulho,
Tatuada nas solas
De quem me pisava.





terça-feira, 5 de maio de 2015

ACEITAÇÃO

Ninguém pode trazer o topo da montanha para si através de marretadas. É preciso conquistá-lo passo a passo.


O que é aceitação? Ato de aceitar. Acolhimento. Aprovação. Aplauso. Consideração. Pelo menos, estes são os sinônimos que encontrei em um dicionário. Mas hoje em dia, existem outras definições, que não passam pelo aplauso, aprovação ou acolhimento. Hoje, aceitação virou sinônimo de tolerância. Quem tolera, não aceita de verdade: apenas engole algo que desce pela garganta, machucando, arranhando, e que depois fica pesando no estômago até que, cedo ou tarde, é vomitado em forma de preconceito, fúria e indignação. 

Para que haja aceitação, é preciso haver antes a compreensão absoluta, e nem mesmo a compreensão fará, necessariamente, que alguém aceite alguma coisa que vá contra os seus princípios.  Neste caso, que pelo menos surja a semente do respeito, e que ela cresça e se estenda sobre a fúria, o preconceito e a violência. Saber respeitar aquilo com o qual não concordamos é um exercício diário de abnegação e altruísmo pelo direito básico que o outro tem de SER. 

Se eu tento me fazer aceita à marra, tudo o que vou conseguir é gerar ainda mais revolta, preconceito e violência. Eu acredito na educação. As escolas deveriam ensinar as pessoas a respeitarem a maneira de ser que é diferente da própria. Parece simples, mas não é, pois as ideias atávicas encrustadas nas mentes das pessoas não saem assim, de uma lavada só... pode demorar muito tempo para que tudo comece realmente a mudar. Enquanto isso, que seja cultivado o respeito por aquilo que eu ainda não sou capaz de aceitar, compreender ou aplaudir. 

O preconceito é como uma árvore de sementes poderosas: se alguém a cortar com violência, ela despejará suas sementes pelo solo, e mais cedo ou mais tarde, elas voltarão a brotar. É necessário que se plante, próximas a elas, outras árvores que cresçam mais que elas, cujas sombras impeçam que a luz do sol brilhe sobre suas copas, fazendo com que elas sequem e morram. Mas estas árvores levam anos para crescer... pode demorar muito tempo. Mas eu não consigo ver outra solução. 

Eu não acredito que uma ideia que seja introduzida através da violência (e existem muitas formas de violência que passam longe da violência física) brotará saudável e terá raízes fortes. Daqui do meu canto, onde apenas observo as coisas que acontecem, eu vejo um mundo cada vez mais violento, pois as pessoas parecem estar querendo derrubar à marretadas muros altos e fortes que foram construídos através de anos e anos de ideias equivocadas; isso faz com que aqueles que se encontram por trás desses muros sintam-se ameaçados e invadidos. Consequentemente, eles correm e começam a construir barricadas emergenciais para tentarem se proteger - e aos seus princípios - daquilo que consideram como uma invasão. E isso só gera mais intolerância, medo e violência. 

E é preciso ter consciência de que, mesmo que eu tente ser a melhor pessoa do mundo, sempre haverá pessoas que não gostarão de mim, não me aceitarão, não me acolherão. Se eu colocar a minha felicidade ou satisfação pessoal nas mãos dessas pessoas, acreditando que, para que eu seja feliz, elas precisam me aceitar ou me respeitar, eu jamais darei um passo adiante na minha vida. É necessário compreender que aquele que não me aceita e não gosta do meu modo de ser também está no seu direito, e respeitá-lo, assim como eu quero ser respeitado.

Um dia, as pessoas hão de compreender que toda forma de preconceito é um atraso. Mas eu não sei quando isso vai acontecer.


MINHA MISSÃO É ESTAR AQUI

Estava lendo  uma entrevista da psicóloga e personal coach americana Laura Ciel, no qual ela fala sobre aquele momento (momen...