terça-feira, 30 de outubro de 2012

Tempestade em New York






Um furacão, e de repente, a evidência do quanto somos frágeis. Uma cidade imensa - a capital do mundo - precisa, literalmente, parar; Wall Street, Brooklin, Broadway. Tudo parado. Ruas vazias. O coração do mundo em silêncio. As pessoas em suas casas, protegidas (?) por barricadas de comida e água. Supermercados vazios. 

A repórter no vigésimo oitavo andar de um prédio, transmitindo as notícias e sem saber como fará para voltar para junto dos seus, já que a energia do prédio foi cortada. Ela diz que seus filhos estão seguros em um hotel. 

De repente, a primordial necessidade tornou-se o abrigo e a comida. Realmente, as únicas coisas que nos fazem permanecer biologicamente vivos, além do ar. Mas o ar agora mata. 

Somos primitivos. Quando a vida corre riscos, voltamos às nossas origens , aos tempos da Idade da Pedra, e tratamos de proteger as nossas vidas, mesmo que para isto, tenhamos que disputar uma garrafa de água à unhadas! Realmente, como somos frágeis! E é justamente nestas horas que as nossas máscaras caem, e a superficialidade dá lugar ao que realmente somos. E ao que realmente importa. 

No olho do furacão, somos todos iguais. O melhor e o pior expostos aos mesmos riscos e reduzidos às mesmas proporções. Todos os sonhos andando na beirada da vida, ameaçados por uma ventania. 

A qualquer momento, podemos ser levados pelo furacão. 

Mas quando tudo passa, e o vento carrega consigo os destroços que escolheu levar, a vida volta a ser o que era, e nem mais nos lembramos do furacão. Pois a vida segue, e nós seguimos com ela. Modificados? Não; indiferentes.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Voil




A vida envolta em voil
Cortina
Que nada descortina
Embaçada,
Mar sem sal.

Nadamos 
Entre o bem e o mal,
Sufocando coisas
Sob o pano letal.

Sugamos o ar
Que nos mantém vivos
Mas que mata
Cada ideal.

A vida envolta em voil,
Cortinas que dançam
Balançam
Ao último aplauso
Final.

Para que tudo isso,
afinal?




sábado, 27 de outubro de 2012

Prêmio Dardos








PRÊMIO DARDOS"

O Prêmio Dardos, prestigiado e desejado no mundo dos blogs, reconhece o mérito diário a cada blogueiro que com amor e dedicação faz espalhar o seu conhecimento e criatividade, tornando-o disponível para todos na web.

De acordo com as regras devemos:

-exibir a imagem do selo no blog
-colocar o link do blog de quem se recebeu o prêmio
-escolher outros blogues para receber o Selo Prêmio Dardos
-Avisar aos escolhidos




Tive a honra de ter sido escolhida por Regina Ragazzi. ://poetandosohaicais.blogspot.com/

Escolher outras pessoas é difícil... sempre tememos cometer injustiças. Mas como a regra exige que escolhamos mais cinco pessoas, lá vai a lista de meus escolhidos:


-Felisberto Junior

-Lazara Papandrea

-Luiefmm

-Lucy mara mansanaris

Professora Lourdes Duarte







Mulher de Mil Nomes





Mulher de mil nomes,
Um só coração
Tão grande, que cabe o mundo,
Com todo o seu desespero...


Aparecida, Lourdes, Fátima,
Desatadora dos Nós, Das Graças,
Do Perpétuo Socorro, Das Dores,
Da esperança de cada um...



Nossa Senhora, Maria,
Antes de de tudo, mulher
Que sofreu a pior dor,
De ver morrer seu próprio Filho...



Talvez por isso, compreenda
As dores de outras mães
Que a ela recorrem, pedindo
A cura de seus próprios filhos.




Mulher de mil nomes,
E um só coração,
Junto-me a todos os romeiros
E a todas as mães 
Pedindo-lhe uma graça...



sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Lições Idiotas



Uma curta listinha de coisas absurdas que aprendemos a receber como verdadeiras desde pequenos, e que são reforçadas e acrescentadas ao longo de nossas vidas:

1) Quando em visita a alguém, ao ser oferecido algo para comer, recuse, mesmo que você esteja doido para comer um pedacinho; se você tiver sorte e o dono da casa insistir, aceite só um pedacinho pequeno, e sempre deixe um pouco no prato; comer tudo é falta de educação.

2) Quando alguém estiver usando uma roupa horrorosa, elogie. Se o corte de cabelo da amiga ficou ridículo, elogie; se ela disse algo totalmente estúpido e sem propósito, elogie (embora o melhor, acho eu, seja não dizer nada).

3) As pessoas que tem 'Doutor' na frente do nome devem ser tratadas com mais respeito que as outras.

4) Todo professor é mais inteligente que os alunos.

5) Aprenda a ser competitivo. Chegar na frente é o que importa. Como, não importa.

6) Ao escolher a profissão, escolha aquela que fará com que você ganhe mais dinheiro, e não a que você mais gosta. Vocação é coisa de trouxa.

7) Case bem. Escolha um marido/esposa que acrescente saldo a sua conta bancária.

8) Vote sempre. Mesmo que você saiba que todos os candidatos são corruptos, incompetentes e falsos. O importante é não 'desperdiçar' seu voto! Seu voto é importante para o futuro do país... mesmo que os candidatos sejam um bando de mentecaptos, vote em um deles.

9) Ande sempre na moda, não importa qual seja  ela. Se a maioria das pessoas estiver usando blusa abóbora com pintinhas rosa-choque, faça o mesmo.

10) Mulheres: usem saltos altos, e se o joelho ou as costas doerem, sorria! Destrua a sua coluna, suas articulações e seu dia, mas seja elegante!

11) Valorize as aparências. Sempre. Quem se veste melhor, é melhor.

12) Compre roupas de marca. Uma camiseta de malha por $350,00 com certeza afirmará quem você é.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

GANHAR X PERDER







GANHAR X PERDER


Sempre abominei todo tipo de competição, talvez por já ter tido, mais de uma vez, a prova de que nem sempre quem vence, é realmente o melhor. Tudo pode depender também daquilo que está sendo vivenciado no momento pessoal de quem compete, sem contar com os padrões pré-estabelecidos que classificam as pessoas em vencedores e perdedores. Muitas vezes, não queremos o novo; queremos apenas a repetição daquilo que consideramos o melhor, sem dar chances à inovação.



Estou lendo - muito lentamente, devido à minha dificuldade latente em compreender todo e qualquer conceito matemático - o livro " O Andar do Bêbado", de Leonard Mlodinow. Cheguei ao trecho em que ele comenta sobre como nossas expectativas afetam a realidade das coisas.



Ele conta que em 1963, três pesquisadores acrescentaram corante vermelho ao vinho branco, e pediram que um grupo de 'especialistas' analisassem a qualidade do vinho, sendo que uma das amostras permaneceu como vinho branco. Os especialistas avaliaram as amostras com corantes como sendo mais doces que a amostra de vinho branco puro, pois pensaram tratar-se de vinho rosé; na verdade, eram todas amostras de vinho branco.



Noutra ocasião,em 2008, trocaram o conteúdo de uma garrafa de vinho caríssimo por vinho barato. Os voluntários classificaram o vinho como excelente em relação a um vinho barato que foi usado como comparação, sem saberem que as duas garrafas continham o mesmo vinho barato.



Que vença o melhor?



Tive a ocasião de preparar-me para testes de Cambridge com alguns outros professores que trabalhavam comigo. Havia uma das professoras cujo conhecimento da língua era bastante grande, e que, como eu, já contava alguns anos de experiência no ensino do Inglês. Mas ela não tinha o hábito de ler. A fim de passar com boas notas em um exame como este, é necessário saber ler rapidamente , e ao mesmo tempo, interpretar corretamente a leitura, já que o tempo de cada etapa da prova é cronometrado.



Ela passou com média "C", e eu passei com média "A". Mas isso significou, realmente, que eu era "melhor" do que ela? Ou que eu apenas conseguia ler mais rápido, por ter cultivado o hábito da leitura desde criança, e ter mais sangue-frio do que ela quanto à pressão do tempo? O fato de eu ter conseguido passar com "Exceptional" na parte escrita não teria sido devido a uma habilidade natural? Pode-se julgar como 'melhor' alguém que tem habilidades naturais para uma certa atividade, se comparado a alguém que não tem?



Detesto preparatórios de Inglês, pois sempre achei que eles não provam nada, ou quase nada. Já vi pessoas cuja rotina de trabalho exige que falem inglês com fluência, o que eles fazem muito bem, sendo reprovadas no famigerado teste Bullats, simplesmente por não conhecerem o formato da prova e não conseguirem ler rapidamente. Estas mesmas pessoas que foram reprovadas, escrevem e-mails para os estados Unidos diariamente, participam de conference calls, entretém americanos quando eles vem ao Brasil, viajam aos Estados Unidos e outros países a negócios e são fluentes na língua. Mas, como não passaram no temido Bullats, não são promovidas, ou pior, perdem seus empregos.



A vida nem sempre é justa.





Seguimos pela vida, competindo, julgando, vencendo e perdendo. Não percebemos que a vitória é apenas o avesso da derrota; que às vezes, ambas estão separadas apenas por alguns segundos, ou milésimos de segundos, ou até mesmo pelo julgamento pessoal de um outro ser humano - sujeito à falhas, como qualquer um.



Tudo isso é estúpido e vazio.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

Memórias Felizes






Ontem, sem que eu puxasse por elas, as memórias começaram a aflorar. Isto tem acontecido comigo muitas vezes: de repente, sem que eu esteja tentando lembrar-me de alguma coisa, e às vezes até quando estou muito ocupada, alguns fatos do passado - coisa de trinta, quarenta anos atrás - voltam a mim. Fico surpresa, pois há séculos eu já nem me lembrava delas.

Lembrei-me dos natais na casa no apartamento de meu cunhado e de minha irmã; a árvore de natal enorme, até o teto, cheia de enfeites e luzes, e os muitos presentes - todos lindamente embalados - sob ela. Nós, em nossas melhores roupas, brindando em lindas taças de vinho - coisa que para mim, criança, era simplesmente inusitado. Lembrei-me de um natal no qual eu ganhei de presente duas batas indianas (era meu maior desejo ter uma daquelas batas que, na época, eram importadas e caríssimas), um relógio de pulso (o primeiro de minha vida) e um par de sandálias. Lembrei-me do quanto os natais eram movimentados e celebrados naquela época. Alguns de nós ainda nem sequer sonhavam em nascer... hoje, alguns de nós já se foram: meu pai, meu sobrinho...

Flashes de vários acontecimentos ( nenhum deles grandioso ou especial, mas corriqueiros ) há muito esquecidos, voltam à memória. Por que será?  Fico me perguntando de onde vem tanta coisa. E vem nos momentos mais inusitados : quando estou dando uma aula, andando na rua, limpando a casa.

Lembrei-me dos sábados que passávamos (toda a minha família) em um sítio de conhecidos no Vale dos Esquilos. Lá havia um grande campo de futebol, onde os homens passavam a tarde, inclusive, meu pai, jogando bola. O lugar era lindíssimo, entre montanhas cobertas de árvores e cheias de quedas d'água. Na parte de cima, havia um pomar de pessegueiros que, quando floridos, eram um espetáculo dos mais lindos. Havia também, naquele sítio, uma piscina de água natural cheia de aranhas... eu morria de medo de entrar nela, enquanto as outras crianças diziam: "Vem, Ana, elas estão lá do outro lado!" E havia churrascos, bolos de aniversário, e à noite, as temidas (por mim) sessões de umbanda. 

Durante uma delas, um Preto Velho parou diante de mim (eu tinha uma dor no ombro crônica, que não passava nunca, há muito tempo), e sem que eu ou qualquer pessoa tivesse dito nada sobre a minha dor, ele soltou uma baforada de fumaça de cachimbo em meu rosto, dizendo: "Zinfia tem encosto!" Eu gelei de medo, e ele, dando-me uns passes, livrou-me da dor, e acredito, dos encostos... acho que eu tinha uns oito, nove anos.

Lembrei-me das tardes em que eu ia para a loja do meu cunhado e da minha irmã, uma loja de roupas masculinas finas, 'de etiqueta,' e na hora do lanche, íamos comer mistos quentes e bana-split no Fukas'. Eu ajudava a fazer os enfeites de natal para a loja, e adorava quando, tarde da noite, portas fechadas, eu podia ficar olhando os funcionários fazerem a decoração de natal das vitrines. Durante o dia, brincava na 'máquina de escrever,' e acompanhava as idas aos bancos. Era tão pequena, que meu cunhado me segurava na rua apoiando a mão por trás de meu pescoço.

Lembro-me das viagens à Cabo Frio, quando ficávamos hospedados no Edifício Areia Branca. Meu pai, minha mãe, minhas irmãs, meu cunhado, eu... meus sobrinhos nem existiam.

Lembro quando a Cristiane nasceu. Depois, a Dani, e o Thiago. A gente ria muito quando meu cunhado dava comida para as crianças, pois enquanto ele levava a colher às bocas, não sabemos o motivo, ele torcia a própria boca. Era engraçado vê-lo fazendo aquilo.

E finalmente, lembro-me de meu cunhado nas manhãs de domingo, sentado de shorts em sua poltrona preferida, lendo jornal e tomando uma dose de uísque ou Campari - até hoje não entendo como alguém pode gostar de Campari! Na vitrola, Paul Mauriat , Clara Nunes ou Richard Clayderman.  Bem, eram as músicas que ele gostava... e até que Richard Clayderman não é tão ruim.


Para José Luiz - resgatando memórias felizes.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

SONO










Quando eu durmo

Tudo fica bem mais leve,

A realidade é um sonho

Existindo sob as pálpebras.

Deixem-me ficar assim,

De olhos bem fechados,

Vivendo das lembranças

Que agora vem à tona!



Pois quando eu durmo,

Os momentos felizes

Tornam-se eternos,

Jamais terminam...

Lembro-me só do que eu quero!



Quando eu durmo, nada vejo,

Nada sinto, nada temo,

O caminho é mais bonito,

Os sorrisos se espalham

Como flores no caminho,

Bem abertas, bem abertas!



Os dois pés pisando o chão

Que se estende a minha frente,

Sem percalços, sem destroços,

Sem os demônios da mente,

Somente o sol, os risos, os sinos,

Somente a paz, os cânticos, os hinos,


É por isso que eu durmo.

É por isso que eu não quero acordar.

Me deixem ser borboleta,

Me deixem sonhar.



segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Horário de Verão



Chegou o horário de verão. Muita gente não gosta, mas apesar de não apreciar nada o calor do verão, confesso que aprecio os dias mais longos e as noites mais curtas.

Lembro-me de quando eu  namorava meu marido; saíamos do trabalho ainda com dia claro, e íamos tomar um sorvete. Era gostoso poder chegar em casa  com o por do sol no horizonte.

Às vezes comprávamos mangas carlotinha para comer em casa ou fazer picolés. Uma época bastante feliz.

Nunca tive problemas em acordar cedo; portanto, as manhãs mais escuras não me incomodam. Quando eu  trabalhava em cursos de inglês na cidade, eu andava pela Avenida Koeller de manhãzinha, e as luzes dos postes ainda estavam acesas. O curso onde eu trabalhava era localizado em um velho casarão histórico, onde hoje funciona o restaurante Luiggi, e quando a última turma entrava, às seis da tarde, eu dava aulas com os janelões da sala escancarados. Muitas vezes, interrompia a aula para chamar a atenção dos alunos para o por do sol. Era lindo, ver os últimos raios avermelhados penetrando os vãos das copas das árvores na Praça da Liberdade,  entrando na sala de aula.

Do verão, só não suporto o calor; fico com dores de cabeça, mal-estar, inchaço, preguiça... mas gosto da época festiva, que é o final do ano. Gosto dos besouros coloridos no começo da noite, e dos vaga-lumes brilhando na mata. Adoro as tempestades rápidas ao final da tarde, e sobretudo, dos sorvetes! Gosto do natal tropical. Adoro usar vestidos coloridos.

Não sou de praias... não consigo mais suportar a areia e o sal grudados na pele, os cabelos emaranhados e melados pela água do mar, as ardências na pele - que sempre acontecem, mesmo quando eu uso o mais forte filtro solar. Mas até que o verão aqui na montanha pode ser bem agradável, com exceção  de alguns dias realmente quentes. Nestes dias mais quentes, eu não sirvo para nada...

Mas... quer gostemos, quer não, o horário de verão chegou. Tentemos aproveitar o que ele nos traz de bom.


*     *     *     *     *     *     *     *     *




domingo, 21 de outubro de 2012

Na Rua Por Onde Passei








NA RUA POR ONDE PASSEI

Na rua por onde passei
Havia flores
Caídas sobre os paralelepípedos
Que ante-ontem, estavam cinzas e nus.

Havia um musgo aveludado
Criado apenas para ampará-las
Em sua queda quase etérea,
Uma queda natural e sem resistências
Da árvore ao chão,
Uma a uma,
Como macias gotas cor-de-rosa.

Na rua por onde passei
E onde a beleza derramou-se,
Hoje so há flores secas
Varridas pelo vento,
Mas o musgo permanecerá
Para amparar as flores
Que hão de rebrotar.

sábado, 20 de outubro de 2012

Maldade






Ontem à noite o Brasil não saiu de casa. Todos na frente da TV, assistindo ao último capítulo da novela das nove, Avenida Brasil. Confesso que me senti decepcionada com o final dos personagens principais.

O súbito arrependimento de Carminha não me desceu pela garganta... acho que a maldade fica muito impregnada na alma, e ninguém consegue livrar-se dela de verdade, quando a pratica durante tanto tempo. É preciso mais que uma crise de consciência, mesmo porque a  maldade mata a consciência dos atos. E Carminha aprendeu, desde pequena, a ser má. Não estou afirmando que não acredito na regeneração do ser humano, mas que não creio que alguém que foi tão má por tanto tempo, possa , de repente, arrepender-se e tornar-se boa.

Também não me desceu pela garganta o fato dos crimes de Nina não terem sido punidos; afinal, ela passou muito tempo dentro de uma casa, fingindo ser quem não era; ela roubou uma enorme quantia de dinheiro, e foi cúmplice de criminosos - e o fato de estar 'usando-os' na trama de sua vingança, em minha opinião, não a faz menos culpada. Ela mentiu e feriu pessoas inocentes. Mesmo assim, teve um final feliz.

Menos ainda me convenceu aquela cena do abraço entre duas arqui-inimigas mortais, que passaram a vida toda se odiando e perpetrando  vinganças uma contra a outra. A vingança, quando levada daquela maneira durante tanto tempo, inclusive com ameaças e tentativas de assassinato, não deixa de pé nenhuma possibilidade de laços de amizade ou de perdão sincero.

Não gostei do final do marido com suas três mulheres, todos 'vivendo felizes para sempre.' Claro, compreendo que eles eram o lado cômico da trama, mas a mensagem que ficou também não desceu... da mesma maneira, a periguete e os jogadores de futebol.

Talvez o final mais plausível tenha sido o de Soninha Catatau, que voltou a ser o que, na verdade, nunca deixara de ser.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Algo a Mais








Deve haver algo a mais
Sob essa superfície,
Sob a face da esfinge,
Arremedos de rostos
Crias fracas e rasas
De uma mãe sem colostro.

Pois se há uma essência
De onde fomos gerados,
Sei que existe decência,
Sentimento, inocência,
Sob o rosto partido.

Pode ser só carência...

Deve haver algo mais
Dentro do coração
Que palpita contrito,
De tanto desamor!
Há de haver uma alma
Sob o pano encardido
Que oculta o sentido...

Talvez seja só dor...

Deve haver um sorriso
Sob a lápide dura
Onde jazem, doridos,
Tantos anos de fúria,
Deve haver carne e sangue
Sob cada armadura...

Onde, a nossa lisura?...


*

Minutinhos de alegria



A alegria, nos dias de hoje, está se tornando artigo de luxo no mercado da vida. Ligo a televisão para distrair-me, e o que vejo? Notícias ruins. Violência, carência, desamor. E as coisas não andam muito fáceis para nós aqui fora.

E  exatamente nestes momentos - quando a vida parece difícil e arrastada, e as coisas, pesadas demais - precisamos encontrar pausas para sermos felizes. Pequenas pausas; brechas  de alegria. Nem que seja um minuto para ler uma frase motivadora em um livro, observar uma flor, ouvir o canto de um passarinho, brincar com um animalzinho de estimação.

Algumas coisas precisam de tempo para terem um desfecho. Nada do que façamos poderá apressar ou pular este tempo. Só nos resta providenciar para que tudo esteja encaminhado, e aguardar. Nesse ínterim, podemos cuidar de nós mesmos enquanto esperamos.

Assim, seja qual for o desfecho, estaremos mais preparados: se for um bom desfecho, ou seja, aquilo que todos nós desejamos ver acontecendo, nossa felicidade tende a aumentar; se não for o que esperamos, pelo menos, teremos desfrutado destes preciosos pequenos momentos de branda alegria, o que com certeza, nos deixará mais fortes para enfrentar o que for preciso.

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Um Presente






VAI FICAR TUDO BEM

Uma obra que respira, tem coração e bate...
Emoções voam livres e só a vida as retém.
Cada texto uma janela e por ela o dia vem,
Com a dinâmica real, feito leite e chocolate...

Tem jarro de saudades, o sentir e consolo...
A tela de esperança que toca a eternidade...
O miolo é uma formula e imprime felicidade...
A magia se fez luz num gênio e se diz tolo...

No prefácio já sentimos um novo perfume,
Que denuncia o livro, vestindo roupa nova.
Antes de cada verso um anjo vem e prova...

A capa traz um slide visto por Ana Bailune,
No momento especial que o espírito decola.
E voa numa sépia, que nosso ego,  decora...


Ana Bailune acabo de ler seu livro,
“VAI FICAR TUDO BEM”
E tentei retratar o que senti ante esta obra prima,
Que sei, é super especial em todos os sentidos, e é
Claro que não tive como segurar a emoção...
Chorei e Amei...
Jacó Filho
Enviado por Jacó Filho em 15/10/2012

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Pecado








Pecado



O maior pecado
É não rir,
Não viver,
Não sentir...

Seja qualquer coisa,
Amor ou ódio,
Dor, alegria,
Mas sentir na alma
Qualquer coisa a mais
Que poeira fria.

O maior pecado,
É não arriscar,
Não sorrir,
Não chorar,
Não sonhar...

Seja qualquer riso,
Seja qualquer choro,
Sonho, risco, enfim
Qualquer coisa a mais
Que me traga a paz,
Que me leve a mim...

O maior pecado
É o não agir
Pelo medo imenso
De ser magoado!
É não ter coragem,
É não ter falado
O que vai na alma,
E é consumado.

O maior pecado
É sempre viver
Com medo, acuado,
É não ter amado,
É não ter perdido,
E nem ter pedido
Sequer, desejado...

O maior pecado
É não ter falado!

Escrever é Como Viver





Uma vez eu ouvi uma frase que ficou muito inserida no contexto de tudo o que escrevo; uma frase sobre o escrever: "Escreva sobre alguma coisa que você conheça bem."

A única coisa que eu conheço bem - além do inglês, que é o idioma que eu ensino - sou eu mesma. Portanto, escrevo melhor quando falo de mim mesma. 

Há poucos minutos recebi um e-mail preocupado, de uma pessoa que admiro bastante, dizendo-me que eu não deveria me expor tanto. Mas na verdade, a exposição não me preocupa; acho melhor expor-me falando daquilo que eu conheço bem - a mim mesma - do que falar de quem eu não conheço, levantando falsidade. O que escrevo, é sobre a minha pessoa, e quem sabe, sobre o que muitas outras pessoas podem estar sentindo também. 

Enfim, falo da vida. E não tenho o menor problema com isso.

O que eu acho terrível e sofrível, são as pessoas que, através de e-mails, difamam quem nem sequer conhecem, falando sobre o que não sabem e nunca saberão, levantando falsas suposições e espalhando discórdia e desconfiança. Lobos em pele de cordeiros.

Nesse mundo virtual, a falta de educação pode ser virtualmente fatal. Exatamente como aqui fora. Por isso, eu acho que escrever é como  viver.

Suposições








Alguém supôs,
E pôs
E expôs
Para tirar
Da língua fria
Aquele gosto
De todo dia,
De feijão com arroz.

Mas do que disse,
Nada sabia,
Apenas pôs,
Supôs 
Expôs
O que não sabia
Não soube antes
E não saberá depois.

Quando Formos Luz



Um dia,
Quando formos luz,
Talvez a cegueira que hoje temos
E a ilusão que ela traz
Nos faça olhar um ao outro
E nos enxergarmos
Como realmente somos.

Quem sabe,
Quando formos luz,
As ilusões causadas,
As desilusões mascaradas
Possam encontrar um final
E nos conheçamos, enfim.

Talvez
Quando formos luz,
Tu me olhes sem armas,
Sem pedras nas mãos,
Sem inveja, sem disputa,
E me vejas como eu sou
(Ou como eu tento ser).

Um dia, 
Quando formos luz,
Compreenderás as razões
Pelas quais eu fiz
O que tive que fazer,
E me vejas, não como um monstro,
Mas como uma pessoa
Tão sensível quanto você.

E quem sabe,
Nesse dia
(Se ele chegar)
Possamos, sinceramente , lamentar
Pelo tempo que perdemos
Tempo que não nos reconhecemos
Esse mesmo tempo que vivemos
Como luz, que somos.


*

domingo, 14 de outubro de 2012

Há Muito...







Há muito desisti de procurar sentidos para a vida. Acho que jamais os teremos, e quanto mais certezas adquirimos, mais longe estaremos da verdade. Talvez baste aceitar a vida como ela é: com tudo o que não sabemos ser, desejamos ser, aprendemos a ser.

A única verdade, segundo minha mãe, é que ninguém sai daqui vivo. Nada ou pouquíssimo sabemos sobre o viver, e menos ainda sobre o morrer.

Só sei que a vida vai ficando cada vez mais deserta, quando começamos a envelhecer. As pessoas começam a ir embora. As máscaras começam a cair. Nosso entendimento muda, nossos objetivos mudam. Chegam as crises existenciais. Talvez envelhecer seja como passar por uma segunda adolescência; só que, ao invés de adquirir conceitos e acrescentar traços à nossa personalidade, nós vamos nos despedindo destes conceitos e traços. Aprendemos a ser desnudos. E quem não conseguir, permanecerá pesado.

Mas uma coisa eu sei, sinto e vivo: envelhecer nos deixa mais confortáveis sobre nós mesmos. Já não tenho tantos medos. Aliás, medos, sobraram-me bem poucos. Sei que um dia serei eu a partir da vida das pessoas. Nem sei se farei falta ou não. E nem sei se fará diferença.

É que ando mesmo um tanto melancólica. Chata, mesmo.

Quando nos despedimos de alguém que está indo embora, despedi-mo-nos de tudo o que vivemos com esta pessoa, desde que a conhecemos: cada risada, cada mágoa, cada alegria e cada tristeza. É como se o papel que aquela pessoa fez em nossas vidas estivesse ficando em branco. Sei lá, é difícil explicar. Mas fica uma outra coisa: uma essência que não entendemos. Uma ausência que é para sempre. As lembranças. A voz. As risadas. Tudo de bom e de ruim que dissemos e escutamos. E nos perguntamos: para quê? Se desde o início estávamos fadados à perda e ao afastamento, por que?

E ouvimos sempre a mesma ladainha, que nada nos acrescenta, e que em nada nos alivia: "A vida é assim mesmo." "Agora é colocar nas mãos de Deus." Que porcaria! Melhor nada dizer, quando nada existe a ser dito.

E eu me pergunto o que ainda estou fazendo aqui. E por que, meu Deus, apesar de tudo, de tanta dor e de tanto sofrimento, a vida tem que ser tão bonita, e essa brisa que sopra tem que ser tão fresca, e o barulho dos sinos de vento tem que ser tão mágico e encantador. E as nuvens pesadas e cinzentas passam no céu. Continuarão passando sempre. E um dia, o céu ficará azul de novo, e cinza outra vez.



Soldadinho de Chumbo







Soldadinho de Chumbo


Soldadinho de chumbo,
Quem te pôs no mundo?
Por que tão pequeno,
Por que tão pesado,
Soldado de chumbo?
Quem te fez tão duro,
Te pôs nas fileiras,
Soldado de chumbo?
Quem cavou trincheiras?
Quem se ri de ti,
Quem que te fez tão mau
Quem te fez tão triste?
Vê se não desiste, soldado ignóbil!
Encosta no ombro
O cano da arma
Não foge à batalha!
Ao final do dia,
Soldado de chumbo,
Faz tua elegia,
Que existe no céu
Alguém que te guia (?)
Soldadinho torto,
Quem te deu à luz,
Quem te quer tão morto?
Alguém te fez duro,
Rígido e pequeno,
Te pôs nas fileiras,
Cavou-te as trincheiras
E agora, afinal
Te derrete aos poucos...
Pra quê tudo isso, soldado de chumbo?
Pra onde tu vais?...

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

SORRIA



Sorrir nem sempre é fácil,
Mas com certeza,
Te fará mais belo
A quem te observa.
Julgar-te-hão mais feliz,
Mesmo que não sejas,
Mais forte,
Mesmo se fraquejas.
Sorrir é grátis,
Basta ensaiar
Na frente do espelho.
Cuide bem dos dentes,
Deixe-os sempre brancos
Prontos para sorrir.

Capriche na curvatura dos lábios,
Para que ela pareça natural,
Sorria, mesmo que seja
Um riso falso e pesado,
Triste, dissimulado.

Sorria, mesmo que de lado,
Pois o teu sorriso
Te fará mais forte
Te dará suporte
Na hora de chorar.



quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Iniquidades




À janela do dia,
Derramamos nossas penas
Como se elas nos fossem levar, em um voo,
Até as portas da verdade,

Mas nossas penas, e nossas piedades
São coisas disfarçadas,
Lúdicas camadas
De pura iniquidade.

Seguimos pela vida, mostrando o que não somos,
Dizendo o que não queremos,
Escondendo o que pensamos,
Até que chegue a hora de entregar-se ao abismo
Às portas da noite negra e sem saudades.

Das janelas da vida,
Às portas da noite,
Nossa eterna, hipócrita
Iniquidade.



quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Contemplação





Às vezes eu acho
Que meu tempo passou,
Estou além
Do que deveria.
Buscando sentidos
Eu mergulho
Nesse caudaloso rio
Sem fundo e sem margens.

Às vezes eu penso
Que não deveria pensar tanto,
O melhor seria
Abstrair, ir levando,
E de repente, eu me perco,
E de repente, eu me espanto.

A história não acaba,
A história continua,
Retilínea, consagrada,
A história é macabra.

E um dia, sei que o livro
Há de fechar-se em um baque,
Cessando cada lembrança,
Apagando cada mágoa.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

ECLIPSE





Sonhei que o dia era noite,
Sonhei que a noite envolvia
O que restara do dia.

Perdida, eu me procurava,
Mas no negro, não me achava,
A noite me engolia.

A  manhã tornou-se negra,
Recolheu-se de repente
E a lua se escondeu.

Me perdi do que era meu,
Me senti tão desabrida,
No meio da escuridão...

Era um verso sem poesia,
Aquela noite sem dia,
Uma canção sem refrão!

Não havia madrugada,
Só a noite entrecortada
Pela escura solidão...


Poema baseado em um sonho que tive na noite passada. Sonhei que estava no portão de casa, acompanhando uma visita. Quando o abri para que ela saísse, um homem negro entrou, e de repente, a manhã ficou muito escura. Fiquei pensando, no sonho, que era um eclipse, mas ele me disse: É o fim do mundo." Sonho louco...

IMAGEM

Foto: Aniversariantes.



Dia 29 de setembro, aniversário meu e de minha irmã. Aniversariamos no mesmo dia. Nossa mãe nos teve de parto normal, e eu nasci exatamente onze anos depois dela. Incrível.

Minha mãe conta que quando eu nasci, o tumulto era tanto que se esqueceram do aniversário de minha irmã. Então, me deram para ela batizar.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Êxtase






Uma rosa se abriu
No fundo do meu jardim. 
Foi assim, de surpresa, 
Hoje de manhã. 


Êxtase: 
Beber da sua imagem, 
Sentir sua textura, 
Cheirar sua essência, 
Sentir ciúmes 
De uma abelha... 


Rodeá-la, 
A procura de ângulos
de beleza escondida... 
Experimentar imagens, 
Surpreender-me: 
Espetar-me 


E achar maravilhoso...

Cores Vivas






C o r e s   V i v a s



Vem ver o sol,
Olha o vermelho da flor,
Desprenda-se deste lençol
Onde não existe amor...

Há um mundo tão grande
Que deseja te encontrar,
Há um sonho preparado
Pra você realizar!

Vem ver o sol,
Vem pra fora,
Vem viver,
Vem sonhar!

Ah, ponha no rosto um sorriso,
Pense nos anos de vida
Que se estendem à tua frente,
Para que tu sejas gente,
Para que faças escolhas,
Para que sejas melhor!...

Deixa pra trás a tristeza,
Vem ver o sol,
Tenha a coragem, a certeza
De que a verdade 
É um brinde à vida,
Ao caminho certo,
E que a mentira, é um trago
De cachaça ruim
Em uma viela suja...

Vem para fora,
Vem ver o sol,
Vem aprender
A ser você!

MISTÉRIO

  Existe um jardim, e nele, uma flor Que todos procuram Embora alguns digam que ela não é. E muito se diz sobre a sua cor: Vermelha o...