terça-feira, 8 de maio de 2012

Um Café



Um café,
E lembranças sobem com o vapor
Vindas do fundo negro da xícara.

Final de tarde,
Silêncio
E um tique-taque ao fundo.

Um café,
E o frio da alma arrefece,
Vozes resnascem,
Risos surgem...

Não, não foi adeus,
Foi uma xícara de café
Que terminou,

Mas o sabor...
Ah, o sabor!...
Jamais perdeu-se no vapor.

Um comentário:

  1. Sou uma viciada em café, o aroma que espalha pela casa, pra mim Ana, é como um ritual diário e relaxante. Lembra infãncia naquelas cozinhas grandes, água na chaleira, coador de pano, broa de milho quentinha feita pela minha mãe e manteiga caseira que derretia na fatia da broa. Ô delícia. Boas lembranças vivas até no cheirinho, sua poesia ficou leve e perfumada querida. Beijos no coração.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...