sexta-feira, 4 de maio de 2012

PARE DE TENTAR SER FELIZ!


A quem você pensa que engana?

Pare de tentar ser feliz!

Apague a luz, e mergulhe bem fundo na escuridão. Tateie o caminho até o fundo do poço, caia, arrebente os joelhos nas pedras, sinta todo o frio e todo mau-cheiro da lama que compõe o piso da tua alma. Ouça as vozes aterradoras que gritam em seus ouvidos; Tema-as! Elas são os fantasmas que te perseguem desde o berço, desde o momento em que você abriu os olhos pela primeira vez e percebeu que estava vivo. Trave conhecimento com todos eles. Ouça seus gritos. Responda às suas perguntas, e deixe que eles o questionem. Seja sincero em suas respostas.

Depois, encare a sua solidão; não, eu não estou falando daqueles momentos de solidão em que não há ninguém por perto. Muito menos, eu falo daquelas vezes em que você se sente sozinho e vulnerável, frente a uma grande dor. Eu falo da solidão intrínseca que cada um de nós traz em si. A solidão que nada nem ninguém há de preencher. Pare de temê-la! Aceite-a, a partir de hoje, e entenda que ela é necessária para que você aprenda a ser mais forte. De nada adianta tentar mascará-la cercando-se de pessoas, ruídos, luzes, música.

Sinta todo o seu medo. Deixe que ele o domine. Morra de medo, encolha-se, ranja os dentes de tanto medo! O medo de ser, o medo de não ser, o de não poder, o de cair. Permita que o medo circule pelas suas veias, possua todo o seu corpo, e se faça presente em cada fio de cabelo. Submeta-se a ele! Qual é o seu maior medo? O de morrer? De não ser aceito pelos demais? O de ser esquecido? O de ficar doente? O de ficar sozinho? O de ser traído? O medo de ter medo?

Agora, encare a sua dor; não tente mascará-la tentando ser feliz e dizendo a si mesmo que tudo vai passar, porque não vai! A única maneira de salvar-se, é aprender a conviver com a sua dor, e só assim, ela será generosa o bastante para retirar-se de vez em quando e permitir que você tenha muitos momentos sem ela. E quando ela quiser doer, deixe que doa! Tranque-se em um quarto e chore bem alto, tudo o que tiver de chorar, chore sangue, se for preciso, mas deixe que a dor se manifeste, até que ela esteja satisfeita.

Encare a sua raiva. Não estou falando daquela raiva passageira, que a gente sente corriqueiramente, mas eu falo daquela raiva latente que nós temos, pelas coisas que perdemos, pelas coisas que jamais teremos e pelas coisas que não nos atrevemos, sequer, a desejar! Odeie! Odeie o mundo, porque ele é violento, injusto, perigoso, o mundo machuca, as pessoas estão cada vez mais loucas, a falsidade impera, Deus retirou-se de nós. Odeie, odeie, odeie! Sinta toda a raiva que puder sentir, grite de raiva, chore de raiva, quebre os copos da casa!

E quando terminar de travar conhecimento com a sua escuridão, sua solidão, seu medo, sua dor e sua raiva, respire fundo. Eles não tem mais poder sobre você.

Agora, você pode começar a acreditar na possibilidade de um recomeço, e em ser feliz.






7 comentários:

  1. Ana,que grande texto!Ninguém pode ver a luz se não caminhar antes pela escuridão!Muito linda msg!Bjs e meu carinho!

    ResponderExcluir
  2. barbaridade... me lembrou as madames que sorriem por fora e choram por dentro... olha, muito legal esse texto... bjuuu (ah, aqueles poemas(bunda suja) viraram homenagem ao poeta Ferreira Gullart pelo seu POEMA SUJO se quiser participar e construir um é so colocar em comentários, que eu subo a postagem, aqui: http://lunasscafepoetico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Falou serio, vou refletir sobre isso, beijo de zélia

    ResponderExcluir
  4. Tem um poeta que disse(escreveu)

    Eu antes quero muda expressão/os lábios mentem,os olhos não!
    Eu acrescento:Parem de acreditar e frazer acreditar que são felizes.

    ResponderExcluir
  5. Uma lição a ser cumprida quase que diariamente até finalmente sentir-nos livres de todo medo, de nos enxergamos como realmente somos em toda sua totalidade. Arrebatadoras palavras Ana.

    ResponderExcluir
  6. Admirável escritora, enquanto não deixarmos que a felicidade habite naturalmente nossos corações, não adianta quebrar copos. Anônimo

    ResponderExcluir
  7. Passo pela primeira vez em teu blog e li quase todos os textos! Escreves muito bem, Ana! E este, é o que mais fundo bateu ... Parabéns pelo blog. Muita qualidade! Serei assídua.
    Bjks.
    Simone Simon Paz.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...