quarta-feira, 23 de maio de 2012

O Que eu Ganho?



"Poesia é 'fria!'
Não dá futuro,
Não faz dinheiro!"

E o que eu ganho?

Talvez, o direito de estar entre os anjos
Ou de andar no inferno
Sem temer os demônios,
Todos os dias!

Ou quem sabe, a poesia traga
Um pouco de sentido
A algumas vidas que doem?...

Mas o que EU ganho,
É com certeza, o direito
À liberdade de expressão
Ao que, de outro modo,
Sufocaria o coração.

A poesia
É o meu direito de ser:
Brega,
Romântica,
Sarcástica,
Quântica,
Bombástica,
Triste, alegre, viva, morta,
Louca perigosa!

6 comentários:

  1. Amei! A gente ganha é o instante do prazer de tê-la feito. Dá um conforto, uma sensação de "delícia" que ninguém mais nos toma...rs

    ResponderExcluir
  2. É isso aí, menina! Estou contigo!
    A poesia, por vezes, alivia os nossos tormentos.

    ResponderExcluir
  3. «A poesia é o inutensílio. A única razão de ser da poesia é que ela faz parte daquelas coisas inúteis da vida que não precisam de justificativa. Porque elas são a própria razão de ser da vida. Querer que a poesia tenha um porquê, querer que a poesia esteja a serviço de alguma coisa é a mesma coisa que querer que o orgasmo tenha um porquê, que a amizade e o afeto tenham um porquê.»
    (Paulo Leminski)

    Queridaq Ana, seu belíssimo poema leva a profunda reflexão, assim como esta frase de Leminski. Para muitas pessoas «inútil» é a palavra que mais define o verdadeiro sentido da poesia. Ainda bem que outras pessoas pensam de maneira deferente e que, para elas, o significado e o valor da poesia não precisa ser justificado, pois ela é a própria razão de ser da vida.
    Quem quiser conhecer o inexplicável da poesia, leia, declame ou cante um poema de Quintana, Cecília, Florbela, Pessoa, Neruda ou Shakespeare... Escreva-o depois numa folha em branco e exiba-o para o mundo. Belo, belíssimo poema, Ana! Um grande abraço. Ana Ferreira.

    ResponderExcluir
  4. é poesia.... !!!! lindo lindo. olguinha costa

    ResponderExcluir
  5. Que bom Aninha, nada ganhamos mas podemos nos rasgarmos, sermos o que quisermos e como estamos ao menos na arte da escrita. Aqui no seu espaço, ganhamos nós.

    ResponderExcluir
  6. a poesia nos alivia pela beleza! Lindo o que você escreveu! beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...