quarta-feira, 30 de maio de 2012

ELEGÂNCIA




Meu poema é pobre, e às vezes, torto,
E já nasce manco, fraco e semi-morto
Muitas vezes morre sem alcançar a luz.

Mas é sempre o semen da  palavra que me escolhe,
E ele se recolhe todo,  a qualquer
Tentativa lúdica de dominá-lo.

Resta-me soltá-lo, e alinhá-lo às linhas,
Na ejaculação de um poeminha torto,
Aleijado, manco, roto, semi-morto,

Um poema tosco que já nasce órfão,
Pois a elegância que tentou gerá-lo
Morre nesse parto do imaginário.

7 comentários:

  1. ANA, que lindas metáforas e imagens implícitas no texto. Poema torto da melhor safra de palavras. Lindo demais.

    ResponderExcluir
  2. Tortos serão os olhos que não enxergarem a elegância e a beleza desse poema.
    Abraços, Ana. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  3. Querendo ou não vc é uma moça elegante, basta sua postura de viver e sentir, de nós já conhecida. Abração. Celso Panza

    ResponderExcluir
  4. Lindissimo Ana. Fiquei a procurar os versos tortos e o que vi foi uma linda e esfuziante poesia de alma.
    Meus aplausos amiga.
    Carinhoso abraço de paz e luz.

    ResponderExcluir
  5. Tua humildade é o verso mais nobre
    do teu poema
    e não está escrito
    o que está escrito não é bem
    verdade
    porque o teu poema é um poema
    claro que é um pobre poeta
    que diz
    mas saiba poeta
    sou um drogado em poesia
    vivo ligado em poesia
    a eternidade da minha vida
    e se te leio
    é porque você toca meu pobre
    coração
    apenas um conselho
    deixe a poesia entrar mais
    nas tuas artéria
    obrigado pelo poema.

    Luiz Alfredo - poeta

    ResponderExcluir
  6. Amiga Querida Ana. Quisera eu, um dia conseguir escrever uma poesia torta deste mesmo jeito que a tua.A sua sensibilidade aflora a cada trabalho teu.Sou seu fã incondicional.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Preciso de um Chão

Preciso de um chão firme, Que me dê segurança Para deixar a cabeça nas nuvens Sem medo de tropeçar. Preciso de um chão ...