quinta-feira, 17 de maio de 2012

Desejo



Cai uma ínfima semente
No solo úmido
Do coração...

Cresce, aos poucos, e é podada,
E volta a crescer, mais forte,
Com raízes mais profundas
Cada vez que é arrancada.

Entranha-se pelos cantos,
Irremediavelmente
Enraizada...

Estás perdido!
Nunca mais serás o mesmo,
Nunca mais terás descanso!

E quanto mais te deleitares,
Maior será tua sede,
E  fatal teu desencanto...


3 comentários:

  1. Como descordar... é assim que acontece. beijo de zélia

    ResponderExcluir
  2. Vir aqui é sempre um encantamento. Parabéns, Ana, pelo sucesso do seu blogger.

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. É isso mesmo. Será preciso um exterminador para estancar isso.....

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...