Alguns Poemas Sobre o Tempo






É sempre bom republicar poemas antigos, pois eles ficam esquecidos nas páginas do passado... 









Reféns do Tempo 




O tempo cobre as sedas de bolor, 


Faz pesar o voo das borboletas, 


O tempo vem e mata, sem pudor, 


O que de amor restava em nossas gretas... 



O tempo é magnânimo senhor, 


Pois mata devagar, e pouco a pouco, 


Substitui o canto pela dor, 


E o que era riso, por espasmo louco. 



Nos dá a verdadeira proporção 


Daquilo que nós somos: passageiros... 


Que um dia, esfarelam-se no chão. 


E nem os sonhos ficarão inteiros. 


*-*-*-*-*-*-*-*-*-*- 



O Tempo que temos 



Nada chega depois, 


E nem antes da hora 


Se tudo o que temos 


É só o agora. 




No final de um dia 


Fechamos os olhos 


E nem percebemos 


O quanto morremos. 



Uma nova manhã... 


Novamente nascemos 


Passa o dia, e não vemos 


Que nós nem vivemos! 



Nada chega depois, 


E nem antes da hora 


Se tudo o que temos 


É só o agora. 



Revivemos o ontem, 


Temendo o futuro 


E o hoje se esvai... 


E nós, envelhecemos! 



Separamos os anos, 


Contamos, não vemos 


Que um dia de vida 


É a idade que temos! 



Nada chega depois, 


E nem antes da hora 


Se tudo o que temos, 


É só o agora! 


*-*-*-*-*-*-*-*-*-*- 




Considerações sobre o tempo 



Futuro: horizonte móvel 


Onde o sol nunca se põe 


Ansiosa paisagem desértica 


Miragem de um vir-a-ser 


Que jamais virá a ser. 




Passado: caminho fechado 


Do que foi ou não vivido 


Sem sol, sem chuva, sem vento 


Incolor fotografia 


Em sépia, do que morreu. 



Presente: momento volátil 


Que evapora em um segundo 


Aquilo que passa passando 


Sempre desapercebido 


Bem diante dos olhares. 



Futuro, presente, passado: 


Todos tempos que inventamos 


Relativamente errados 


Quanticamente empilhados. 



*-*-*-*-*-*-*-*-*- 



As Dobras do Tempo 




Dobrei as memórias 


Com cuidado 


E guardei-as todas. 


As lágrimas? 


Naftalinas. 



*-*-*-*-*-*-*-*-* 



Uma Conversa com o Tempo 



Dizem que passas, mas ficas, 


Deixas marcas sobre tudo... 


Envelheces as crianças, 


Desmascaras ilusões, 


Amudereces os frutos, 


Escancaras corações. 



Não tenho medo de ti, 


Não mais, porque descobri 


Que aquilo que tu levas 


É o que tens de levar. 



Não levarás minha essência, 


E sob as rugas, nem mesmo 


A criança que te mira 


E que sempre permanece. 



Ah, tempo, tenho-te dó, 


Pois pensas que tens poder, 


Mas não resistes ao teste 


De apagar-me as memórias!... 



Minha vida, minha história, 


Gravaram-se em tua pele, 


Tatuagens indeléveis, 


De minha passagem breve. 



Seguimos, assim, lado a lado: 


O tempo que pensa que pode 


Passar por sobre a existência 


E uma existência que pensa 


Que pode sublimar o tempo... 



*-*-*-*-*-*-*-*-*- 




Tempo de Estarmos Escuros 



Ainda pouco, havia sol... 


Passarinhos cantavam nas árvores 


E o azul do céu 


Parecia infinito 


E infindável. 



Agora, 


Um teto cinzento de nuvens 


Cobriu a paisagem, 


Pássaros se foram, 


E o azul, recolheu-se. 



Assim é o viver: 


Entre matizes de azul e negro, 


O branco da paz e o cinzento da dor. 



Por dentro, uma vontade insana 


De ser nuvem de vapor 


Para derreter-se ao sol, 


Ou cair como chuva, 


Entranhando-se na escuridão da terra, 


Onde dorme o nunca. 



E noutro dia, 


De lá do fundo, olhamos para cima, 


E vemos que nosso chover 


Deixou o céu azul novamente, 


E toda água que pesava em nós, 


Evaporou-se de repente... 



Somos luz, 


A maior parte do tempo, 


Embora, às vezes, 


Sejamos nuvens 


De tempestade, 


No nosso tempo de estarmos escuros. 












Comentários

  1. Esses são de autores famosos ou criações suas?
    Obg \*-*/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos os poemas em meu blog são criações minhas. Obrigada pela leitura.

      Excluir
  2. "Reféns do Tempo" é e nos proporciona um momento nobre, grandioso. É assim a arte de Ana Bailunne. Parabéns, Ana.

    ResponderExcluir
  3. Ana, vim avisar que um texto teu acaba de entrar como semente por lá! Podes ver aqui:

    http://canteiroqueunesementes.blogspot.com.br/2016/07/45-sementevem-da-ana-bailune.html


    Espero gostes! bjs, chica e linda semana!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Google, O Paaaai